29/06/10

Principezinho

"(...)

A raposa calou-se e ficou a olhar durante muito tempo para o principezinho.

- Por favor... Prende-me a ti! - acabou finalmente por dizer.

- Eu bem gostava - respondeu o principezinho - mas não tenho muito tempo. Tenho amigos para descobrir e uma data de coisas para conhecer...

- Só conhecemos as coisas que prendemos a nós - disse a raposa. - Os homens, agora, já não têm tempo para conhecer nada. Compram as coisas feitas nos vendedores. Mas como não há vendedores de amigos, os homens já não têm amigos. Se queres um amigo, prende-me a ti!

- E o que é preciso fazer? - perguntou o principezinho.

- É preciso ter muita paciência. Primeiro, sentas-te um bocadinho afastado de mim, assim, em cima da relva. Eu olho para ti pelo canto do olho e tu não dizes nada. A linguagem é fonte de mal-entendidos. Mas todos os dias te podes sentar um bocadinho mais perto...

(...)

E foi assim que o principezinho prendeu a si a raposa. E quando chegou a hora da despedida:

- Ai! - exclamou a raposa - Ai que me vou pôr a chorar...

- A culpa é tua - disse o principezinho. - Eu bem não queria que te acontecesse mal nenhum, mas tu quiseste que eu te prendesse a mim...

(...)

E então voltou para o pé da raposa e disse:

- Adeus...

- Adeus - disse a raposa. - Vou-te contar o tal segredo. É muito simples: só se vê com o coração. O essencial é invisivel para os olhos...

- O essencial é invisivel para os olhos - repetiu o principezinho, para nunca mais se esquecer.(...)"

5 comentários:

ethosemconstrucao disse...

Clássico. O Pequeno Príncipe é um bálsamo para a alma, uma bela composição que fala com muita ternura das coisas da vida.

Abraços :)

Esqualidus disse...

Um livro do tamanho do Mundo.

Cris disse...

Há mesmo muito tempo que não procurava nada dele e achei que este pedacinho refletia muito bem a imagem com que tinha ficado do livro. :)

Kok disse...

Depois de ler parece (me) que fica tudo dito mas que fica tudo por dizer...
Não sei explicar melhor!

Bêjo.

Cris disse...

Acho que é mais ou menos essa a sensação com que todos ficamos quando lemos pedacinhos assim. :)
Bem dito!

beijo