04/03/09

Não posso crer...

Menina de nove anos está grávida de gémeos. Gravidez é de risco e por isso a interrupção está contemplada na lei.
A igreja brasileira quer impedir que uma criança de nove anos, grávida de gémeos como resultado da violação por parte do padrasto, ponha fim à gravidez.
Valha-me a santíssima pachorra... será possível??
Garantidamente, não consigo compreender a mente desta gente... não encontro qualquer raciocínio, que faça o mínimo de lógica, para justificar a posição desta gente iluminada... se calhar é falha minha, mas não sou capaz!

3 comentários:

Kok disse...

Olha, sobre as tomadas de posição da igreja já nem falo. Acho que nada do que digam nem do que fazem me surpreende!
Seguem os ensinamentos de Jesus C.?
Não acho!
Fico mais interessado em saber o que a justiça brasileira vai fazer com o padrasto.
Parece que voltamos a referir os comportamentos animalescos do teu anterior post.
Fui procurar no google o Victor que a "Ameixa" referiu. Li sobre casos arrepiantes dessa e de outras crianças...
A questão é: vivemos de facto no século XXI ???
1 bêjo

ameixa seca disse...

Desculpa-me a linguagem, podes apagar o comentário se quiseres, mas acho que a igreja anda com um bocadinho de inveja, parece-me que também quer ser fodida todos os dias... isto não será incentivar os pedófilos?

Cris disse...

Kok, também me recuso a acreditar que esta seja a Igreja baseada nos ensinamentos de Jesus Cristo. Esta deve ser uma ideologia muito só deles e para um umbigo deles, mesmo que não se perceba o raciocínio da coisa...

Aliás, recuso-me determinantemente a crer que qualquer religião, seja ela centrada em que deus for e independentemente das suas particularidades... se tiver no seu veio central o Bem, ache normal que uma criança de 9 anos, que já foi claramente muito maltratada, seja dupla ou triplamente castigada tendo de correr risco de vida para ter duas crianças.

Ameixa, não há qualquer problema com a linguagem. Nestas coisas acho que temos mesmo de chamar os nomes às coisas, mesmo que não sejam bonitos ou socialmente aceites.
Não tinha pensado nessa hipótese, mas atendendo ao contexto mórbido assenta-lhe bem...

bejos